Seu Mundo Sustentável

Atendendo às necessidades do presente sem comprometer o futuro

Um futuro sem emissão de carbono
16 de setembro de 2018
0

3 Passos Para Um Futuro Zero Carbono

A escala do desafio à frente não pode ser subestimada. Ao longo dos próximos 15 anos, o mundo deve investir U$90 trilhões em infraestrutura, o que é mais do que todo o estoque atual. As decisões tomadas por cada país, empresa ou investidor hoje afetarão diretamente os objetivos climáticos e desenvolvimento global. Se feito corretamente, podemos garantir uma trajetória de crescimento que, até 2050, alimente 9 bilhões de pessoas, além de fornecer eletricidade limpa para todos e serviços de infraestrutura aos mais de 6 bilhões de habitantes urbanos que mantêm as cidades funcionando como motores do crescimento.

O mundo já iniciou uma jornada rumo a um futuro de carbono zero, resiliente ao clima – testificando os acordos globais de 2015 e 2016 sobre ação climática e desenvolvimento sustentável, fortemente apoiados por ações de governos nacionais, estaduais e municipais, bem como empresas, investidores e sociedade civil. E o ímpeto está crescendo: no início de setembro, juntei-me a líderes empresariais, políticos e investidores na Conferência de Negócios e Clima em Nova Deli, onde discutimos como as estratégias de baixo carbono podem ser boas para os negócios e boas para o desenvolvimento. Mas se mudarmos para o caminho certo a tempo de evitar os piores impactos de um clima em mudança depende da ação em três frentes: uma política clara e confiável que possa liberar capital em escala e desencadear uma era de inovação de baixo carbono.

 

A cooperação internacional será fundamental  como uma alavanca para fortalecer e distribuir mais efetivamente o fluxo de novas ideias e a capacidade técnica, mobilizar e ampliar as finanças e ajudar a superar as preocupações sobre a perda de competitividade e aumentar a escala dos mercados. Trabalhando em conjunto, países, empresas, cidades e outros podem se mover mais rapidamente e alcançar maiores ganhos.

Em primeiro lugar, ao nível político, os governos desempenham um papel fundamental no fornecimento das condições propícias corretas. Por exemplo, coletivamente, eles poderiam sinalizar decisivamente que o alto-carbono, o desenvolvimento altamente poluente vem com um custo significativo. Isso poderia incluir, por exemplo, a introdução de preços significativos do carbono e a reforma de subsídios de combustíveis fósseis

 

Hoje, mais de 42 países e 25 regiões subnacionais têm, ou estão ativamente planejando, um imposto sobre a emissão de carbono; e estima-se que 50 países tenham iniciado ou acelerado a reforma do subsídio de combustíveis fósseis. Mas os preços do carbono e a cobertura das emissões são muito baixos em quase todos os esquemas. Um novo relatório da OCDE sobre Investir no Clima, Investir no Crescimento, mostra como o uso do preço do carbono e outras políticas climáticas eficientes, juntamente com as reformas estruturais, podem melhorar o crescimento tanto de curto quanto de longo prazo. Acelerar os esforços, tais como os liderados pela Coalizão de Liderança de Precificação do Carbono, será fundamental para o avanço do anúncio dos líderes do G7 em maio de 2016 para eliminar os subsídios ineficientes dos combustíveis fósseis até 2025.

 

Em segundo lugar, precisamos mobilizar e alinhar as finanças para que os tipos certos de investimentos sejam feitos. Isso inclui a utilização das finanças públicas de formas que possam alavancar as finanças privadas. Os bancos multilaterais de desenvolvimento desempenham um papel fundamental neste setor, incluindo a mitigação de riscos, o fornecimento de financiamento de concessões e a inclusão de capitais privados, especialmente em economias menos desenvolvidas.

Mais uma vez, há sinais promissores de impulso para investimentos de baixo carbono: em Outubro de 2017, mais de 400 investidores com U$25 trilhões em ativos sob gestão aderiram à Plataforma de Investidores para Ações Climáticas. O Fundo Soberano da Noruega, o maior do mundo com U$ 1 trilhão, desmembrou mais de 50 empresas relacionadas ao carvão, em consonância com as diretrizes éticas adotadas em 2016. Mais de 100 empresas, incluindo Unilever, Barclays e HSBC, se comprometeram a implementar as recomendações da Força-Tarefa comissionada pelo G20 sobre a Divulgação Financeira Relacionada ao Clima, traduzindo-se na divulgação de informações sobre o clima como parte de suas principais demonstrações financeiras. Os países também estão alinhando as suas políticas com esses esforços: a França, por exemplo, tem a divulgação corporativa obrigatória das informações sobre o clima, que inclui os riscos financeiros dos impactos climáticos e relatórios de carbono em toda a rede de abastecimento. O banco central chinês propôs a divulgação obrigatória do clima como parte de uma série de outras reformas para ajudar a tornar o sistema financeiro mais verde.

 

Outros sinais de boas-vindas incluem iniciativas como o Partnering for Green Growth e o Global Goals 2030 (P4G), um motor de crescimento verde que cria espaço para parcerias de empresas, líderes nacionais e municipais, financiadores e defensores da comunidade para unir forças no desenvolvimento e implantação de oportunidades específicas que podem acelerar a entrega do desenvolvimento sustentável. Eles estão oferecendo soluções práticas, e eles também levam uma mensagem importante: não só a transição para uma economia de baixo carbono é possível, como também pode ser boa para a sustentabilidade dos negócios.

Finalmente, a comunidade global precisa investir em inovação. O setor público de P&D do setor energético é menos da metade do que era no final dos anos 70 em termos reais, e ainda, muitas vezes, vai para a exploração e produção de combustíveis fósseis. No entanto, o potencial de transformação do que pode ser alcançado é impressionante. A BNEF, por exemplo, prevê uma expansão tão rápida para os veículos elétricos, juntamente com a mudança de padrões em torno do compartilhamento de carros ou de agrupamento nos próximos anos, que pode haver um “momento iPhone” de inovadora ruptura.

Em essência, os nossos esforços para garantir um caminho de crescimento seguro e sustentável dependem de coalizões de governos, investidores, empresas e da sociedade civil que trabalhem em conjunto para acelerar essa transição: as oportunidades estão lá, só precisamos aproveitá-las.

Deixe uma resposta