Seu Mundo Sustentável

Atendendo às necessidades do presente sem comprometer o futuro

O acesso à energia nas Cidades
16 de setembro de 2018
0

Por Que Agora É a Hora de Tornar Uma Prioridade o Acesso à Energia Nas Cidades?

O acesso à energia tem sido frequentemente visto através de uma lente rural, mas também continua sendo um problema vexatório e negligenciado. Nas áreas urbanas em todo o mundo, 132 milhões de pessoas não têm acesso à eletricidade e 482 milhões de pessoas cozinham com combustíveis sólidos “sujos”, como madeira ou carvão. As cidades que já estão lutando para fornecer energia limpa, acessível e confiável para seus residentes provavelmente acharão difícil manter o ritmo entre hoje e 2050, quando a população urbana deverá ser de 2,5 bilhões a mais do que é hoje, com a maior parte do aumento na África e na Ásia.

A energia é um pré-requisito para o crescimento econômico e a produtividade, pois fornece os serviços necessários para os lares e meios de subsistência das pessoas. Além disso, como uma cidade consome energia, tem grandes impactos na saúde humana. Por exemplo, a poluição do ar por combustíveis sólidos no domicílio foi responsável por 3,5 milhões de mortes em todo o mundo em 2010

 

As cidades  rapidamente urbanizadas do mundo enfrentam três desafios fundamentais:

 

  1. Como fornecer acesso à energia de qualidade, ao mesmo tempo em que se aborda as questões incômodas de confiabilidade e custo? Os pobres urbanos nos países em desenvolvimento gastam uma parcela significativa de sua renda em energia, geralmente entre 14 e 22 por cento. Em Kibera, Nairobi, os gastos com energia podem ser de 20% a 40% da renda mensal. Mesmo onde as populações têm acesso à eletricidade, a falta de confiabilidade e a ineficiência podem ser problemas agudos, particularmente no sul da Ásia. Por exemplo, o número médio de interrupções de energia por mês experimentadas pelas empresas no sul da Ásia excedeu 25, em 2013. Por causa dessa falta de confiabilidade, as pessoas e empresas com conexões de rede são frequentemente forçadas a usar geradores a diesel sujos para suplementar a sua energia – a um custo muitas vezes maior que o da eletricidade da rede convencional.

 

  1. Como aumentar os serviços de energia, melhorando a eficiência? Em uma série de megacidades no mundo em desenvolvimento, as taxas de crescimento no consumo de eletricidade excedem em muito o crescimento populacional. Embora o aumento do consumo de eletricidade seja um imperativo do desenvolvimento, será difícil para muitas cidades sustentar essa taxa de consumo, particularmente devido a ineficiências e perdas de linhas. Em Lagos, por exemplo, as perdas de linhas são estimadas em 40% do consumo total de eletricidade, em comparação com menos de 10% em Londres ou Los Angeles.

 

  1. Dado o imperativo climático, como mudar para uma energia mais limpa e menos intensiva em carbono? As cidades do mundo em desenvolvimento não poderão seguir os modelos insustentáveis ​​de desenvolvimento das cidades mais ricas e desenvolvidas. Reduções de emissões dramáticas de gases de efeito estufa (GEE) são necessárias – pelo menos 40% a 70% abaixo dos níveis de 2010 em todo o mundo – se houver probabilidade do aquecimento global permanecer abaixo de 2°C no final do século. E como as cidades são responsáveis ​​por cerca de 70% dos GEEs globais, elas desempenham um papel substancial nesse esforço de mitigação.

 

Explorando Soluções Urbanas Potenciais

O próximo documento do WRR sobre energia fará a pergunta principal: como as cidades do mundo em desenvolvimento podem fornecer simultaneamente serviços de energia mais limpos, mais acessíveis e mais confiáveis ​​para os menos atendidos, garantindo que a cidade se torne economicamente mais próspera e melhorando a qualidade ambiental global?

O relatório apresentará soluções que, em primeiro lugar, atendem à necessidade urgente de melhorar os serviços para os menos atendidos em termos de acesso, custo, confiabilidade, saúde e meios de subsistência e, segundo, evitar o aprisionamento de longo prazo do consumo de energia e emissões do gás de efeito estufa pela infra-estrutura de energia. O foco será em soluções de energia urbana que possam ser implementadas em grande parte dentro da própria cidade. O objetivo é informar os agentes de mudança urbana – um amplo conjunto de atores do governo nacional e regional, instituições financeiras internacionais, sociedade civil e setor privado – em áreas críticas de ação energética urbana.

Como a comunidade internacional se concentra na implementação da Nova Agenda Urbana depois de Quito, a energia urbana deve ser uma prioridade. Fornecer energia limpa, acessível e confiável em áreas urbanas, particularmente em regiões que estão rapidamente se urbanizando, também é indispensável para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ao garantir acesso moderno a todos e criar cidades inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis. Esta é uma oportunidade seminal para criar uma nova cidade, onde todos tenham acesso à energia, para energizarem suas vidas e prosperarem.

Deixe uma resposta