Seu Mundo Sustentável

Atendendo às necessidades do presente sem comprometer o futuro

Mudanças Transformacionais Para Proteger Os Bens Comuns Globais
16 de setembro de 2018
0

Mudanças Transformacionais Para Proteger Os Bens Comuns Globais

 

Nosso futuro definitivamente não é o que costumava ser. E não pode ser. O PIB real do mundo cresceu mais de 20 vezes no século 20 e, com uma taxa de crescimento anual relativamente modesta de 3%, crescerá mais 20 vezes neste século. Uma taxa de crescimento de 4% renderia um aumento de 50 vezes neste século, implicando uma economia real no final deste século mil vezes maior que a de 1900.

Este incrível crescimento permitiu a maior redução na pobreza global da história, mas a enorme magnitude desse tsunami econômico ameaça nosso futuro de várias maneiras, muitas das quais não são totalmente compreendidas.

Portanto, a questão central que devemos enfrentar é: a economia global pode continuar crescendo enquanto reduz radicalmente nossa pegada ecológica? Os últimos cinco anos trouxeram novas percepções notáveis ​​nessa área. Pesquisas importantes, como a da Comissão Global sobre Economia e Clima, mostraram que em quase todas as esferas da vida econômica e social existem caminhos realistas que levam a uma maior prosperidade e melhor qualidade de vida, ao mesmo tempo em que reduzem drasticamente os danos ambientais. A má notícia é que – devido à inércia política, financeira e psicológica, e ao “aprisionamento” físico – essas transformações não estão acontecendo em uma escala que está remotamente próxima do que é necessário.

 

Se quisermos sair do atual século em melhor forma do que quando entramos, precisaremos de transformações radicais de pelo menos quatro grandes sistemas econômicos e sociais.

 

1- Construir as cidades do amanhã.

Durante o século passado, as cidades foram projetadas para carros mais do que para pessoas. A expansão está custando aos EUA mais de U$1 trilhão por ano e dezenas de bilhões de horas perdidas no congestionamento. Muitas cidades perdem 10% de sua renda devido a congestionamentos e outros 10% com poluição. Mas as cidades compactas, conectadas e coordenadas são mais eficientes, mais inclusivas socialmente e podem reduzir as emissões de carbono em 90%. A mudança das cidades de hoje para as exigidas amanhã não precisa custar mais.

Os próximos 15 anos verão mais infraestrutura nova construída do que toda a infraestrutura existente hoje no mundo. O design sustentável economizaria U$3 trilhões em investimento em infraestrutura urbana em todo o mundo. Mas isso exigiria algo mais escasso do que dinheiro: liderança política e social; a vontade de pensar fundamentalmente sobre onde as pessoas viverão, trabalharão e irão se divertir; como elas viajarão; e que tipos de edifícios constituirão uma cidade. Ainda há tempo para acertar. Mas não muito.

 

2- Repensar a comida e a agricultura.

Com a população mundial subindo para 9,7 bilhões em 2050, o consumo de alimentos precisará aumentar em 60-70%, o que implica que a produção crescerá a uma taxa anual aproximadamente comparável à dos últimos 40 anos. Mas isso ocorre em um momento em que as emissões de gases de efeito estufa da agricultura terão que cair em mais da metade, sem se expandir para as terras florestais, se os compromissos sob as ODSs, as mudanças climáticas e as convenções sobre biodiversidade forem honrados. A produção do necessário aumento do volume de alimentos a partir de terras agrícolas existentes exigiria aumentos anuais nos rendimentos quase 50% mais altos do que nas últimas quatro décadas – mesmo que o fornecimento de água se torne muito menos previsível.

Enfiar esta agulha será realmente difícil. Nenhuma bala de prata existe. Uma combinação de medidas é necessária, embora isso precise de mais liderança do que está sendo mostrado atualmente. Um elemento essencial seria cumprir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 12.3: reduzir pela metade a perda e o desperdício de alimentos até 2030. Se a perda mundial de alimentos e resíduos fosse um país, seria o terceiro maior emissor de GEE, desperdiçando terras férteis do tamanho da China e custando U$940 bilhões por ano.

 

3- Desenvolver sistemas de energia descarbonizante.

De todas as revoluções econômicas necessárias, a transição energética é a mais fácil de visualizar. Setenta por cento da infraestrutura de energia necessária para acompanhar o crescimento esperado do uso de energia até 2030 ainda está por ser construída, e o desafio é conceitualmente simples: minimizar o uso de combustíveis fósseis em novas fábricas e investir pesadamente em eficiência energética (que tem entre os maiores retornos econômicos e financeiros de qualquer investimento). A energia eólica já é competitiva com combustíveis fósseis em quase metade da superfície da Terra, e uma nova geração de acordos solares está surgindo com altos níveis de luz solar (México, Emirados Árabes, Arábia Saudita, etc.), com cerca de 3 centavos de dólar por kilowatt/hora os combustíveis fósseis não podem mais competir.

Apesar deste encorajamento, estamos muito longe do sucesso. Para alguns países importantes com necessidades urgentes de aumentar sua produção de energia – China, Índia, Indonésia, Paquistão, Vietnã – os cálculos de custos ainda não são claramente favoráveis ​​às energias renováveis ​​(embora tenham programas renováveis ​​ambiciosos), e todos eles têm grandes programas da nova geração baseados em carvão. Assim também, o investimento em eficiência energética, embora extremamente atraente economicamente, não está nem perto do ponto de inflexão necessário. Atingir este ritmo de mudança requer uma nova estratégia para complementar o declínio contínuo do preço das energias renováveis. Seria necessário envolvimento político e financeiro de alto nível para mudar os incentivos naqueles países onde a mudança para baixo carbono é mais difícil.

 

4-  Criar uma economia circular.

No último século, a demanda global por recursos naturais cresceu enormemente. Olhando para o futuro, os materiais colhidos, extraídos e consumidos em todo o mundo devem aumentar para 100 bilhões de toneladas por ano até 2030 – um aumento de 40% a partir de hoje. Se mantivermos abordagens lineares para a produção, projeto, uso e descarte de materiais, nossas taxas globais de geração de resíduos sólidos excederão 11 milhões de toneladas por dia, mais de três vezes as taxas atuais, até 2100. Uma mudança radical rumo a uma produção mais circular e sistemas de consumo é claramente uma ideia cuja hora chegou.

Precisamos dar um loop em nossos processos de produção, consumo e gerenciamento de resíduos; projetar resíduos fora da economia e fazer uso de saídas de resíduos de um sistema como insumos para outros; e manter um determinado recurso e seu valor circulando na economia o maior tempo possível. Boas práticas estão surgindo em muitos países e indústrias. A Europa está a mostrar algumas tendências encorajadoras, como a política nacional e da UE sendo moldada, bem como com as coligações empresariais. A aceleração da circularidade nas redes de suprimento globais pode render cerca de U$1 trilhão ou mais por ano até 2025 para a economia global. Mas o ritmo geral da mudança permanece totalmente inadequado se quisermos tirar a pressão dos recursos comuns na medida do necessário.