Seu Mundo Sustentável

Atendendo às necessidades do presente sem comprometer o futuro

Clima Extremo: O Que As Mudanças Climáticas Têm A Ver Com Isso?
16 de setembro de 2018
0

Clima Extremo: O Que As Mudanças Climáticas Têm A Ver Com Isso?

 

Se alguém tivesse que desenvolver uma narrativa fictícia para acompanhar as projeções científicas de um mundo em aquecimento, talvez os escritores tivessem uma história de eventos climáticos extremos semelhante aos que temos visto ao longo do último mês. Mas isso teria ocorrido décadas no futuro. Infelizmente, não há nada de fictício sobre esses eventos mortais, que destruíram vidas, casas e negócios em todo o mundo.

À luz desses eventos, devemos perguntar: o que a mudança climática tem a ver com isso?

Nos Estados Unidos, para alguns, o termo “mudança climática” tornou-se tão politizado que está sendo apagado de sites, propostas de financiamento e documentos oficiais. A tarefa mais importante agora é fornecer assistência integral aos feridos e àqueles que sofreram danos materiais. Ao fazermos isso e reconstruirmos essas comunidades, também temos a obrigação de considerar como podemos reduzir os riscos para proteger vidas e propriedades no futuro.

E enquanto os impactos crescentes da mudança climática são ruins para as pessoas no mundo desenvolvido, muitos nos países em desenvolvimento estão muito pior, dada a sua maior vulnerabilidade, falta de recursos e capacidade de adaptação. Essas pessoas precisam de um apoio muito maior para lidarem com esses desastres crescentes.

O que a ciência climática diz?

Então, o que a ciência climática nos diz sobre as ligações entre a mudança climática e o clima extremo e que impacto isso pode ter em eventos futuros? A ciência está progredindo na atribuição de algum evento extremo à mudança climática?

Aqui está um pouco do que sabemos:

  • Ondas de calor:  Não é nenhuma surpresa que o aquecimento na atmosfera leve a ondas de calor, ou períodos de tempo muito quentes durando de dias a semanas. Nos últimos anos, a frequência das ondas de calor tem aumentado em muitas partes do mundo, e o risco associado ao calor extremo aumenta com o aquecimento adicional.
  • Tempestades e inundações: Sabemos também que o aquecimento leva a níveis mais altos do mar, o que aumenta o risco de tempestades, contribuindo para os danos causados ​​pelos furacões. A mudança climática também aquece os oceanos, adicionando energia que pode alimentar as tempestades costeiras. Compondo isso, uma atmosfera mais quente pode conter mais umidade, então pode haver mais umidade para sistemas de tempestades, resultando em chuvas mais pesadas. A Avaliação da US National Climate descobriu que houve um aumento substancial – em intensidade, frequência e duração, bem como o número de tempestades mais fortes (Categoria 4 e 5) – em furacões do Oceano Atlântico desde o início dos anos 80, ligados em parte a temperaturas mais altas da superfície do mar. No final deste século, os modelos projetam, em média, uma leve diminuição no número de ciclones tropicais a cada ano, mas um aumento no número dos furacões mais fortes (Categoria 4 e 5) e maiores chuvas nos furacões (aumentos de cerca de 20% em média, perto do centro dos furacões).
  • Incêndios: Nós sabemos que as temperaturas mais elevadas conduzem a um aumento das taxas de evaporação, o que leva a uma secagem rápida dos solos. Isso pode não apenas contribuir para as condições de seca, como pode alimentar incêndios florestais. A Avaliação Nacional do Clima dos EUA descobriu que, nas florestas ocidentais, projeta-se que incêndios grandes e intensos ocorram com mais frequência, com incêndios florestais grandes e mais longos, devido a temperaturas mais altas e ao derretimento de neve mais cedo na primavera.

Essas tendências em eventos climáticos extremos são acompanhadas por mudanças de longo prazo, incluindo aumento da temperatura da superfície e do oceano nas últimas décadas, diminuição da cobertura da neve e gelo e aumento do nível do mar.

A ciência está sempre avançando, seja encontrando novas formas de combater o câncer ou entendendo como acompanhar melhor furacões e tempestades. Também estamos aprendendo mais sobre a ciência climática o tempo todo. Especificamente, a ciência da atribuição – olhando para quanto a mudança climática aumenta as chances de um evento específico ocorrer – avançou notavelmente. Por exemplo, as Academias Nacionais publicaram recentemente um estudo sobre a atribuição de eventos extremos no contexto da mudança climática, observando que “os avanços ocorreram por duas razões principais: Em primeiro lugar, a compreensão dos mecanismos climáticos e temporais que produzem eventos extremos está melhorando, e dois avanços rápidos estão sendo feitos nos métodos que são usados ​​para a atribuição de eventos. “O Bureau of the American Meteorological Society publicou agora cinco relatórios focados em explicar como a mudança climática pode ter afetado eventos extremos a partir de 2011 a 2015. Além disso, vários programas de investigação internacionais se uniram para desenvolver o projeto World Weather Attribution para analisar o papel das mudanças climáticas em eventos extremos.

Ainda levará tempo para que os pesquisadores determinem o grau exato em que o aquecimento causado pelo homem aumentou as chances de qualquer um dos recentes eventos extremos de acontecer. Certamente não precisamos esperar para saber a estatística exata para fortalecer as habilidades das comunidades para suportar esses tipos de eventos e reduzir o risco para o futuro.

A prioridade hoje deve ser a recuperação, e, como fazemos, devemos nos proteger melhor para o próximo evento. Sabemos que podemos reduzir os riscos associados à mudança climática, reduzindo as emissões globais a um nível seguro e fazendo investimentos inteligentes para garantir que nossas comunidades e infraestrutura sejam mais resistentes.

Precisamos encarar as realidades da mudança climática hoje, não cair na fantasia de que podemos simplesmente ignorá-las e de que elas irão embora.